segunda-feira, 8 de agosto de 2016

5 Games Da Square Enix Que São Verdadeiras Pérolas Esquecidas


Quando falamos de Square Enix, os primeiros símbolos da desenvolvedora que virão à sua cabeça, provavelmente, serão as franquias Final Fantasy; talvez Kingdom Hearts para quem viveu o auge do PS2, ou até mesmo Chronno Trigger pode ser lembrado pelos gamers 'das antigas'. Nos tempos modernos, podemos notar que foi um game bastante "fora do padrão" e modesto o responsável por trazer um sopro de novidade a seu catálogo: Life Is Strange.
Apesar de ter sido criado pela Dotnod -- e apenas publicado pela Square Enix --, foi uma aposta capaz de reacender o nome da empresa. Isso nos fez pensar sobre outros projetos da Square Enix que, mesmo não tendo alcançado reconhecimento ao redor do mundo, oferecem experiências cativantes e que valem a pena. Conheça cinco deles nesta lista!

Secret of Evermore - SNES


Esse jogo de Super Nintendo é uma espécie de primo renegado dentre os grandes RPGs da empresa que seguem esse mesmo estilo, como Secret Of Mana, Chrono Trigger e Final Fantasy. Seu diferencial é que o sistema de magias, típico de mundos de fantasia, foi substituído por uma estrutura de fórmulas químicas que o personagem aprende através de alquimistas e usa como fontes de poder de ataque, defesa e cura.
O roteiro do jogo mostra quando um garoto (sem nome!) e seu cachorro são teleportados para o universo paralelo Evermore, que reúne diversas realidades de épocas diferentes da civilização humana. Os quatro ambientes se assemelham a Pré-História, Idade Média, Idade Moderna e um Futuro que se passa em uma estação espacial cheia de robôs. O garoto é aficionado por cinema e vai se identificando com cenas de filme que ele lembra ao longo da aventura. Seu amigo canino é capaz de atacar os inimigos, com até mais força que seu dono.
Ainda, o fiel companheiro pode ser usado para farejar o caminho e encontrar substâncias que são necessárias nas fórmulas e muda de aparência de um jeito bem divertido de acordo com cada fase de Secret Of Evermore. Além das alquimias, o menino também pode atacar usando diversos tipos de armas e assim a dupla segue a aventura em busca de derrotar o grande vilão Mordomo Robô, que é chave para voltarem para casa.

Vagrant Story - PSONE


Um game dos primórdios dos gráficos 3D: a época do primeiro PlayStation, quando as empresa procuravam explorar novas mecânicas de jogabilidade. Isto fica claro em Vagrant Story, que traz a opção de combate em que o jogador escolhe qual parte do corpo do oponente (cabeça, tronco, braços ou pernas) ele atingirá com seu ataque, o que influencia o sucesso da luta.
O título reúne os estilos de plataforma, puzzle e RPG ao longo da aventura através do reino de Valendia. O enredo é intrincado por traições, intrigas e manipulação em torno de uma guerra civil que arrebatou a cidade de Lea Monde. O protagonista Ashley Riot passa por um processo de amnésia e vai recobrando suas lembranças conforme cumpre sua responsabilidade como Riskbreaker, um guarda real empenhado em investigar suspeitas de conspirações políticas de corruptos em seu reino e re-estabelecer a ordem.
Tudo isso culmina em um desfecho inesperado e que, provavelmente, foi capaz de oferecer uma experiência inovadora para quem teve contato com Vagrant Story nos anos 2000.

Threads Of Fate - PSONE


Poucos foram os que tiveram contato com este RPG super colorido e com visual bonitinho e que trazia a opção de viver a aventura através de duas perspectivas diferentes: a princesa hiperativa Mint ou o menino melancólico e desmemoriado Rue. Cada um possui uma jogabilidade e história específicos. Com isso, o jogador tinha a oportunidade de experimentar Threads Of Fate pelo menos duas vezes e ainda assim encontrar novidades.
A primeira tentativa soava como um aprendizado, enquanto na segunda já existia certo domínio dos controles, o que permitia explorar mais profundamente o jogo, o que deixava uma sensação de progresso. O objetivo de ambos dentro do game é o mesmo: encontrar o artefato Dewprism, que é capaz de conceder desejos a quem o possui. Outra característica cativante de Threads Of Fate, especialmente quando se controlava a Mint, são os diálogos leves e bem-humorados. No caso de Rue, o enredo é conduzido com um pouco mais de drama, porém ainda mantendo um tom sensível e jovial.
Além de oferecer um jogo 2 em 1, a Square Enix colocou uma surpresa no final para quem concluir a aventura com os dois protagonistas.

Valkyrie Profile 2: Silmeria - PS2


Um jogo longo e que fez muita gente recorrer a guias e tutoriais que ajudassem a conduzir a party liderada por Alicia. Essa personagem era o centro da narrativa juntamente com Silmeria, nome do espírito de uma das três Valquírias que foi aprisionada por Odin no corpo da princesa de Dipan, dividindo o espaço com a alma da jovem.
A história revela que, quando a moça começou a manifestar duas personalidades diferentes, ela foi considerada louca dentro de seu reino. O rei exilou a filha em uma aldeia distante para sua própria proteção e declarou que ela estava morta. O jogador explora o mapa em uma plataforma horizontal, mas como é um Turn-Based RPG, durante as batalhas a câmera se flexibiliza o e permite mais movimentos. Você ataca usando um grupo de personagens que possuem funções específicas, estilo que conhecemos bem em Final Fantasy.
É importante aprender a mecânica, os tipos de ataques que oferecem mais vantagens contra cada monstro e se empenhar de verdade para conseguir seguir em frente. Sem dúvida, é um título de PS2 com progresso muito complexo e desafiador, mas que pode ser compensador diante dos maravilhosos mistérios deste mundo nórdico, que são revelados ao jogador ao longo do caminho percorrido por Alicia e Silmeria, ávidas por encontrar uma solução que poupe a humanidade de uma eminente catástrofe.

Project Sylpheed - Xbox 360


O último título da lista foge do senso comum da Square Enix, que são os RPGs. A mecânica de jogo é de combate espacial, com boas doses de simulação e um enredo digno. O jogador encarna Katana, um piloto da força aérea terráquea, em uma história que abrange conflitos políticos em um cenário interplanetário.
A ação dos conflitos entre naves é intensa, do tipo que pode tirar seu fôlego em alguns momentos e o enredo apresenta uma profundidade capaz de estimular sua curiosidade para descobrir o que acontece a seguir. Voltando à parte da jogabilidade, quase todos os botões do controle do Xbox 360 são aplicados em Project Sylpheed, por isso o jogador precisa ser atencioso na hora de usar comandos e escolher ataques.
Para completar, como o título foi lançando no last-gen da Microsoft, ele conta com recursos de personalização da nave e emocionantes batalhas contra artilharias de inimigos (crowd) nos céus da galáxia.

Via: ign
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário