domingo, 25 de dezembro de 2016

Relembre os maiores lançamentos de games para PC em 2016



O ano de 2016 foi bem interessante no mundo dos games em geral, com os jogadores de PC recebendo vários títulos de qualidade ao longo de seus doze meses. Títulos de RPG, estratégia e FPS acabaram se tornando os maiores destaques e, pensando nisso, resolvemos relembrar os maiores lançamentos do ano para PC.

É válido comentar que os títulos abaixo foram os lançamentos de maior destaque do ano para PC, recebendo bastante atenção da mídia especializada e do público. Caso você ache que algum outro game mereça destaque, deixe sua opinião nos comentários.

Overwatch 



Um dos melhores jogos de 2016, independente da plataforma, Overwatch foi a aposta da Blizzard para um jogo de ação em times em primeira pessoa. Com vários personagens carismáticos, belos gráficos, gameplay envolvente e, eventualmente, um modo competitivo realmente interessante, o game conseguiu fazer com que a fórmula usada em títulos como Team Fortress 2 conseguisse evoluir e se tornar cada vez mais atual.

Com constantes atualizações e disponibilizando mapas e personagens gratuitamente para os jogadores, a Blizzard conseguiu criar uma comunidade forte, além de garantir a longevidade do game.

Killing Floor 2


Tecnicamente, Killing Floor 2 estava disponível para PCs desde 2015, quando teve um lançamento em 2015, porém, em um estado de early access. O título de FPS foi lançado oficialmente somente em 2016, provando que a espera pela sua versão “final” valeu a pena.

Com uma boa dose de ação contra monstros, violência frenética, um esquema de multiplayer que realmente funciona, suporte a mods e criação de mapas pela comunidade, algo que vem se tornando cada vez mais raro quando feito oficialmente.

Inside


Criado pelo mesmo estúdio responsável por LIMBO, Inside foi uma das surpresas de 2016, contando uma história de um jeito diferente, se apoiando nos visuais e gameplay. Através de uma série de quebra-cabeças, o jogador controla um menino perseguido por perigos que afetam a sua vida.

Por ser um jogo curto e com uma história que vai muito da interpretação do próprio jogador, Inside tinha tudo para ser um game divisivo, mas acabou agradando boa parte do público e crítica graças à sua qualidade.

XCOM 2


A batalha contra uma raça alienígena que quer dominar a Terra continua em XCOM 2. O game, que foi exclusivo para PCs por boa parte de 2016, trouxe melhorias sensíveis em relação ao título anterior, além de mostrar uma história ainda mais envolvente.

Com gráficos melhorados, um sistema de combate e evolução de tropas um tanto mais intuitivos, XCOM 2 conseguiu proporcionar horas de gameplay, que podem ser multiplicadas quando aplicada a dificuldade realmente desafiadora do game.

Owlboy



Depois de longos nove anos, o D-Pad Studios finalmente finalizou e lançou OwlBoy, game de plataforma com elementos retrô. O título, que conta a história de um jovem de uma raça de híbrida de humanos e corujas.

Misturando gameplay de plataforma, com elementos de Metroidvania, com gráficos que lembram a era 16 bit, o game foi muito bem aceito pela crítica especializada e pelo público, que finalmente pode colocar suas mãos no game.

World of Warcraft: Legion



Entra ano, sai ano e World of Warcraft segue firme e forte como o MMORPG de maior sucesso no mundo dos games. Em 2016, o game recebeu uma nova expansão, Legion, que ajudou o público a se empolgar novamente com o game, após a decepcionante expansão Warlords of Draenor.

WoW: Legion trouxe nova classe, áreas, quests foram reformuladas, deixando o jogo mais divertido e envolvente. Classes receberam algumas alterações que aumentaram a sua identidade dentro do game, permitindo que o jogador tenha maior controle na sua jornada.

Day of the Tentacle Remastered



Lançado na primeira metade de 2016, a remasterização do clássico Day of the Tentacle, um dos maiores títulos da época de ouro do gênero adventure point and click, mostra o cuidado especial que a Double Fine teve ao apresentar o título a fãs antigos e um novo público.

Retrabalhando o gráfico do game, tornando-o compatível com resoluções atuais, e reutilizando a dublagem original, o jogo é o exemplo de 2016 para “não se mexe em time que está ganhando”.

Stardew Valley



Jogos como os da série Harvest Moon trazem ao jogador a experiência da vida na fazenda. Só que os títulos da franquia nunca chegaram ao PC, algo que foi solucionado com o lançamento de Stardew Valley. À primeira vista, o game lembra muito uma versão de Super Nintendo de Harvest Moon, mas basta jogar um pouco para notar que Stardew Valley consegue caminhar com as próprias pernas, trazendo uma complexidade maior em seu gameplay.

Além de cuidar da sua fazenda, você ainda deve tratar dos negócios dela, vendendo e comprando coisas para se manter, além de interagir com outros moradores da cidade vizinha. É como Harvest Moon, mas melhor.

Superhot


Superhot foi lançado no início de 2016 e trouxe um jeito diferente de encarar um game de tiro em primeira pessoa. Na pele de um jogador que usa uma versão crackeada de um novo jogo, você começa uma jornada em que tudo fica em câmera lenta, só avançando quando você se mexe.

Isso acaba por trasnformar as fases em um jogo de xadrez, já que você deve calcular cada movimento para eliminar todos os inimigos e sair ileso. Com gráficos bem interessantes, Superhot foi uma das grandes surpresas do ano. Recentemente, uma versão com suporte à realidade virtual foi lançada.

Civilization VI


Civilization VI foi lançado em 2016 com a tarefa de, pelo menos, conseguir manter a qualidade da franquia. O jogo de estratégia trouxe melhorias interessantes ao sistema de gerenciamento de cidades, além de gráficos bonitos e transmitindo cada vez mais a experiência de um imenso jogo de tabuleiro digital.

A ideia de que o jogo pode ficar ainda maior, graças a expansões que devem ser lançadas em breve, e mods criados pela comunidade, deve fazer a alegria de muitos jogadores ao redor do mundo. Com certeza, um dos melhores games do ano para PC.

Você acha que Overwatch pode destronar CoD e Battlefield no gênero FPS?

Via: techtudo
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário