domingo, 12 de novembro de 2017

Brasileiro precisa obedecer lei para ter carro autônomo, diz engenheiro que trocou Google pelo Uber



Interior do carro autônomo da Uber em São Francisco, nos EUA (Foto: Eric Risberg/AP)
Atual engenheiro da divisão de carros autônomos do Uber e ex-Google, o americano Steven Choi desembarcou em São Paulo nesta semana para uma palestra e, logo nos primeiros minutos em solo, percebeu um obstáculo "tupiniquim" para seu projeto de vida: caos e desrespeito às leis de trânsito.
"Muitos carros passando no farol vermelho, pessoas atravessando fora da faixa. Os brasileiros precisam seguir as regras para ter carros autônomos; caso contrário, não vai funcionar."
A questão é que os veículos sem motorista são controlados por inteligência artificial, que aprende com o que acontece ao redor. Eles estão programados para parar caso um pedestre cruze a rua repentinamente, mas, se isso ocorrer muitas vezes, os robôs aprenderão de forma errada.
"Albert Einstein descobriu a fusão atômica para resolver um problema de energia, mas outros cientistas transformaram a ideia em uma bomba atômica."
"O carro autônomos são máquinas. Se você inserir os dados certos, vão funcionar bem, mas, se forem os dados errados..."


Engenheiro Steven Choi trocou o Google pela divisão de carros autônomos do Uber (Foto: Ricardo De Bom/Divulgação)
Mesmo com a comparação alarmante, Choi não é pessimista. Pelo contrário, ele acredita que, fora o "probleminha" de não seguir as leis de trânsito, o Brasil está preparado para ter carros que dirigem sozinhos e o impacto positivo nas nossas vidas será enorme.
Para o engenheiro que já trabalhou no laboratório de projetos secretos do Google, todas as empresas envolvidas no desenvolvimento dos carros autônomos têm um único objetivo: salvar vidas.
Acidentes de trânsito são a maior causa de morte de jovens entre 15 a 29 anos no mundo, com mais vítimas que Aids, gripe e dengue juntas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). São cerca de 120 brasileiros por dia.
Um levantamento do Detran-SP apontou que 94% dos acidentes com mortes no estado foram causados por falha humana. Ou seja, podem ser evitados.
Para o engenheiro que já trabalhou no laboratório de projetos secretos do Google, todas as empresas envolvidas no desenvolvimento dos carros autônomos têm um único objetivo: salvar vidas.
Acidentes de trânsito são a maior causa de morte de jovens entre 15 a 29 anos no mundo, com mais vítimas que Aids, gripe e dengue juntas, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). São cerca de 120 brasileiros por dia.
Um levantamento do Detran-SP apontou que 94% dos acidentes com mortes no estado foram causados por falha humana. Ou seja, podem ser evitados.
Uma estimativa dessa economia foi dada em um estudo do Ipea, com base em dados de acidentes da Polícia Rodoviária Federal. Em 2014, o Brasil perdeu 8.227 vidas em 169 mil acidentes registrados apenas nas estradas federais, com um custo de R$ 12,3 bilhões à sociedade.
Quando vai vender?
Muitas empresas disputam a "corrida" pelo pioneirismo dos veículos autônomos. Há diversos deles em testes, inclusive nas ruas dos Estados Unidos, Europa e Japão. Os do Uber e da Waymo, empresa-irmã do Google, já transportam pessoas comuns, em caráter experimental.
Mas nenhum carro autônomo está perto de ser vendido. Há diversas estimativas das empresas para quando isso vai acontecer. A maioria fala que será já no começo da próxima década.
"Não posso dar uma data exata de quando os carros autônomos chegarão de verdade, mas acredito que será mais cedo do que as pessoas esperam", diz Choi.
E qual empresa vai vencer a corrida? Para o engenheiro, ser o pioneiro não importa tanto.
"Aposto no Uber, por isso que mudei para lá, mas não precisa ser o primeiro, precisa fazer direito. Ainda é especulação, mas acho que as montadoras e as empresas de tecnologia vão trabalhar juntas, até porque haverá uma necessidade de padronização para os veículos se comunicarem"
Via G1
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário